“Igrejas estão menos influentes e pastores menos centrados na Bíblia”, avalia pesquisador

  • 21/05/2024
“Igrejas estão menos influentes e pastores menos centrados na Bíblia”, avalia pesquisador
“Igrejas estão menos influentes e pastores menos centrados na Bíblia”, avalia pesquisador (Foto: Reprodução)

Um dos principais especialistas em igrejas e tendências de cosmovisão, George Barna comentou sobre alguns dos maiores desafios que a Igreja enfrenta atualmente. Entre eles estão a constante diminuição de uma cosmovisão bíblica e a redução da preocupação com a formação espiritual, especialmente em um momento de "invisibilidade cristã em nossa cultura."

Em uma entrevista ao The Christian Post, o fundador do The Barna Group, uma empresa de pesquisa de mercado especializada em estudar as crenças e comportamentos religiosos dos americanos, afirmou que, nas últimas décadas, tem observado certas tendências negativas se infiltrando cada vez mais no cristianismo ocidental.

"As pessoas se tornaram mais egoístas, as igrejas se tornaram menos influentes, os pastores se tornaram menos centrados na Bíblia", disse Barna, de 69 anos.

E continuou: "As famílias têm investido menos tempo e energia no crescimento espiritual, especialmente de seus filhos. A mídia agora influencia mais a Igreja do que a Igreja influencia a mídia, ou a cultura, por assim dizer. O Corpo Cristão tende a se desviar, discutindo sobre muitas coisas que realmente não importam."

Formação ministerial

Em uma perspectiva mais ampla, uma das tendências mais preocupantes que Barna destaca é o declínio do discipulado e a falta de formação bíblica sólida nos seminários. Ele criticou as métricas predominantes usadas pelas igrejas para avaliar o sucesso, como frequência, arrecadação de fundos e infraestrutura, enfatizando que essas medidas têm pouco a ver com a verdadeira missão de Jesus.

"Há uma liderança deficiente nos seminários que engana as igrejas locais, fazendo com que acreditem que estão realmente treinando indivíduos que Deus chamou para ser líderes e que são qualificados para liderar, e os certificam para liderar igrejas locais, sem saber como fazê-los avançar”, explicou.

Barna disse ainda que embora muitos seminários tenham “boas intenções”, eles levam os jovens líderes ministeriais ao fracasso.

"Você obtém o que mede”, ele argumentou. "Então, se você medir as coisas erradas, obterá resultados errados... [os pastores] medem quantas pessoas comparecem, quanto dinheiro arrecadam, quantos programas oferecem, quantos funcionários contratam, quantos metros quadrados construíram. Jesus não morreu por nada disso. Estamos medindo as coisas erradas e, consequentemente, obtendo resultados errados."

Retorno às raízes bíblicas

Para abordar essas questões, Barna defendeu um retorno radical às raízes bíblicas. No entanto, ele destacou que isso pode exigir um repensar na estrutura da igreja moderna.

"Se voltássemos à Bíblia, acredito que reconheceríamos que a igreja local, a igreja institucional como a criamos, é obra do homem. Não está nas Escrituras”, ele disse.

"Os programas, os títulos, os edifícios, todas essas coisas que se tornaram sacrossantas na cultura americana e ao redor do mundo não são necessariamente bíblicas."

"Jesus não veio para construir instituições, Ele veio para formar pessoas. E vemos esse modelo em Sua vida. Ele dedicou a parte ministerial de Sua vida a investir em indivíduos. E é isso que cada um de nós, que somos seguidores de Cristo, precisamos fazer."

Discipulando a próxima geração

Em vez de se concentrar em programas e edifícios, Barna, que é pai e avô, exortou os crentes a investirem nas crianças, que ele considera o futuro da Igreja.

Isso envolve dar prioridade à educação espiritual, exemplificar os princípios bíblicos e criar estruturas de responsabilização dentro da família.

"Cometemos um grande erro ao usar as crianças apenas como isca, em vez de focar nelas como o principal objetivo de nosso ministério, impacto ou influência," ele disse.

"Precisamos voltar e reconhecer que tudo começa com as famílias; os pais têm a responsabilidade principal de criar seus filhos para se tornarem campeões espirituais... as igrejas locais precisam apoiar os pais nesse esforço. Nosso foco principal deve ser nas crianças... e no desenvolvimento de sua cosmovisão bíblica. Se fizermos isso, poderemos aumentar a proporção dos 3% de adultos que são discípulos na América hoje."

Crescimento espiritual mais significativo

Atuando como professor na Universidade Cristã do Arizona e diretor de pesquisa em seu Centro de Pesquisa Cultural, Barna disse ao CP que sua jornada na pesquisa religiosa começou com o desejo de preencher uma lacuna crucial que ele observou na compreensão da Igreja sobre suas próprias congregações.

"Quando comecei, estava tentando descobrir como poderia agregar valor ao que estava acontecendo na Igreja em todo o país," ele disse. "Não parecia haver muita informação voltada para as tendências relacionadas à profundidade da fé das pessoas."

Embora os dados existentes registrassem a frequência à igreja e as vendas de Bíblias, Barna reconheceu a necessidade de obter insights sobre o que as pessoas acreditam, por que acreditam e como essas crenças se traduzem em ações.

Ao longo dos anos, o foco de Barna em dados mais profundos e baseados em tendências proporcionou aos pastores ferramentas para promover um crescimento espiritual mais significativo, em vez de simplesmente monitorar métricas superficiais.

A ascensão da IA

Uma tendência que também preocupa Barna é o potencial impacto negativo que a inteligência artificial (IA) pode ter na Igreja.

"Já estamos vendo um impacto nos sermões em todo o país", ele disse. "Pastores, porque querem se sair bem e, em alguns casos, por preguiça, estão percebendo que a IA pode ser um meio de obter um sermão talvez melhor.”

"Existem outras formas pelas quais veremos seu impacto em termos de arrecadação de fundos, em termos de presença na mídia", ele continuou.

"Como Corpo de Cristo, precisamos ser muito suspeitosos e cuidadosos com qualquer coisa que se rotule como 'artificial'. Provavelmente não é bom para nossa saúde mental, nossa saúde física ou nossa saúde espiritual. Encorajo líderes genuínos a serem muito cautelosos ao convidar qualquer coisa disso para nossas vidas e, particularmente, em como vamos usar isso para influenciar a vida de outras pessoas."

Barna também aconselhou os pais a abordarem a IA e outras mídias com uma estratégia de monitorar, minimizar, mediar e moralizar o conteúdo para garantir que esteja alinhado com os valores bíblicos.

"Os pais são os guardiões. Ajam como líderes, assumam a liderança e tomem as decisões difíceis", disse o autor de “Raising Spiritual Champions” [Criando Campeões Espirituais, em tradução livre]. "Tomem essas decisões difíceis em relação à visão que vocês têm sobre o que significa ser um pai de um campeão espiritual."

‘Este é o nosso momento’

Barna, que vendeu o Grupo Barna em 2009, afirmou que hoje está mais focado do que nunca no desenvolvimento da visão de mundo e cultural.

Ele alertou que a Igreja está em um momento crítico, e o caminho para uma comunidade cristã próspera está no retorno aos princípios bíblicos fundamentais, na capacitação dos pais como líderes espirituais e no discipulado intencional da próxima geração.

"Todo o resto é ruído", ele disse. "Se não fizermos essas coisas, vamos perder ainda mais nesta guerra... este é o nosso momento, chegamos a um tempo de invisibilidade cristã em nossa cultura. O que estou vendo agora é que estamos chegando a um ponto onde o americano típico... não terá ninguém em seu círculo de influência que tenha uma cosmovisão bíblica. Você não será influenciado pela verdade de Deus.

E enfatizou: "A consequência disso é que as elites em nossa cultura terão a oportunidade de acabar com a liberdade espiritual," ele enfatizou. "Não seremos mais permitidos ir às igrejas; não seremos mais permitidos comprar e ler Bíblias, não seremos mais permitidos falar publicamente sobre nossa fé. Por quê? Porque tudo isso remonta a discípulos que não fazem discípulos. Então, este é o nosso momento. Ou enfrentamos ou nos calamos. E eu sugeriria que enfrentássemos."

FONTE: http://guiame.com.br/gospel/mundo-cristao/igrejas-estao-menos-influentes-e-pastores-menos-centrados-na-biblia-avalia-pesquisador.html


#Compartilhe

Aplicativos


Locutor no Ar

Peça Sua Música

Top 5

top1
1. Vencer Ou Vencer

Gisele Nascimento e Midian Lima

top2
2. É Jesus

Paulo Neto e Bruna Karla

top3
3. Santo Pra Sempre

Marine Friesen

top4
4. Levanto Um Aleluia

Isaque Valadão Bessa, Ana Paula Valadão

top5
5. Aclame Ao Senhor

Rebeca Carvalho

Anunciantes